Dicas para alavancar as finanças da empresa

Alavancar as finanças da empresa

Um estudo do INE feito a empresas portuguesas revelou que 65% das empresas fecha as portas nos primeiros 5 anos!

Alavancar as finanças da empresa: algumas dicas!

Estatísticas:

  • 72,8% das empresas com apenas 1 sócio fecha antes de completar 5 anos.
  • 37,5% das empresas com mais do que 1 sócio fecha antes de completar 5 anos.

 

A média entre as duas ronda os 65%.

Este facto explica porque é que a maioria das empresas são empresas unipessoais.

Como veremos mais abaixo, é muito importante esta distinção: empresas com 1 sócio VS empresas com vários sócios.

 

Quais as razões para a diferença entre os 72,8% e os 37,5%?

 

São vários os motivos que explicam esta diferença.

Mas pretendo destacar aqui a forma como levianamente cuidamos do capital, quando estamos sozinhos numa empresa.

 

Quando falamos em cuidar do capital das empresas, o que é que faz a diferença?

 

3 fatores que estão na base de muitos problemas

 

1. Misturar a vida pessoal com a vida profissional

 

Muitos empresários quando abrem uma empresa misturam a conta da empresa com a conta pessoal, as faturas da empresa com as faturas pessoais. Deixando para o contabilista a tarefa de destrinçar as faturas.

 

É um facto que há situações em que pode, dentro da legalidade, otimizar fiscalmente a sua empresa.

Mas muito mais importante do que a questão fiscal é a questão do controlo da sua empresa.

Independentemente dos montantes que legalmente pode colocar nas finanças da sua empresa, é muito importante que tenha uma noção muito clara daquilo que é um custo da empresa ou um custo pessoal.

 

Muitas vezes, os custos que na realidade não são da empresa acabam por se tornar uma muleta para justificar os resultados negativos.

Para conseguir aferir claramente como está o seu negócio, qual a margem do seu negócio, se os seus custos estão a baixar ou a subir, se está a otimizar a sua estrutura, o dono de uma empresa tem que ser analítico e ver apenas e só o seu negócio.

Este fator é crítico para que entenda se o seu negócio está efetivamente a gerar proveitos ou não!

Vamos alavancar as finanças da empresa?

Separe todas as despesas que não são da empresa das que fazem efetivamente parte da empresa.

Todos sabemos que é comum almoçar com a família e colocar a fatura em nome da empresa, mas separe os almoços com clientes dos almoços com a família, colocando-os em rubricas diferentes. Desta forma, ao analisar as contas da empresa, poderá facilmente distinguir quais os valores referentes aos almoços com clientes e quais os que se referem aos almoços com a família.

 

2. Gastos desnecessários

 

Não coloque o seu negócio em risco.

Tenha o estilo de vida que pretende, mas não abuse da empresa.

 

Uma empresa deve estar capitalizada, deve ter dinheiro em caixa. Este dinheiro capitalizado deve ser usado para investir em coisas que valorizem a empresa.

O facto de a empresa ter lucro é um bom sinal. Significa que se quiser vender a sua empresa, ela estará valorizada.

O lucro da sua empresa não deve ser distribuído pelos sócios (uma empresa que distribui dividendos é porque já não tem capacidade de investir) muito menos deve ser usado para compras supérfluas (carros, etc.).

 

Liberte-se da preocupação constante de que vai pagar muitos impostos. Se isso acontecer, é bom sinal, é um indicador de que o seu negócio está a dar lucro.

 

Não deixe que o primeiro objetivo da sua empresa seja pagar poucos impostos. Pelo contrário, o primeiro objetivo de uma empresa é dar o maior lucro possível, para que desse lucro se retire o maior fluxo de caixa possível e com esse fluxo de caixa se faça investimentos que gerem mais lucro para a empresa.

 

Ciclo de crescimento de um negócio

Dicas para alavancar as finanças da empresa 1Reflita no seguinte:

Os gastos pessoais que coloca na empresa justificam-se ou está a gastar apenas por luxúria?

 

Dando um exemplo que aconteceu comigo:

No decorrer de uma conversa que tive com um empresário, o mesmo dizia que queria comprar um Tesla porque a sua empresa tinha dinheiro e, além disso, iria ter imensos benefícios fiscais com a compra de um carro elétrico.

 

As questões que lhe coloquei foram:

  • Como é que isso seria um bom investimento para a empresa?
  • O facto de ter um Tesla iria fazer a empresa faturar mais?

 

Depois de refletir e depois de ouvir outras opiniões, o empresário, muito contrariado, aceitou que seria um melhor investimento comprar um apartamento no Algarve em vez do Tesla.

Isto acontece com muitos empresários: ainda não faturaram e já estão a comprar bons carros.

 

Não use a sua empresa para isto!

O objetivo das empresas não é comprar carros nem fazer férias de luxo. Se o quiser fazer, faça-o na sua esfera pessoal e não use a desculpa dos benefícios fiscais para fazer compras que não irão acrescentar valor à sua empresa.

 

  1. Custos não reportados oficialmente

Quando falamos em prémios, em horas extra ou em algum tipo de benefício aos colaboradores, todos conhecemos empresas que tendem a “pagar por fora”.

Tanto do lado das receitas, como do lado dos custos, há nas empresas alguma tendência para tentar não pagar IVA.

Também todos sabemos que a carga sobre os salários é elevada, e para aumentar um colaborador num valor razoável, o custo para a empresa é muito elevado. Este facto leva a que se verifique o tão conhecido “pagar por fora”.

 

Esta situação levanta vários problemas. Ora veja:

– Como justificar a saída do dinheiro?

– Como fazer um controlo financeiro correto?

 

Missão: alavancar as finanças da empresa!

Atente no seguinte exemplo:

Tive um primeiro contacto com um empresário que, há muitos anos, tinha muitos problemas de dívidas ao fisco, à Segurança Social, a fornecedores, e que estava a tentar fazer um processo de “limpeza” às finanças da empresa.

 

A primeira pergunta que eu lhe fiz foi se o negócio corria bem. Ao que me respondeu que corria muito bem.

Pedi-lhe então que me explicasse qual era o problema, se os clientes demoravam muito a pagar por exemplo. Respondeu que não.

Quando aprofundei o tema, percebi que havia dinheiro que entrava e saía da conta da empresa, sem qualquer registo e que esta pessoa não tinha noção alguma do valor que estava a sair e a entrar.

Para ter controlo financeiro sobre o seu negócio, era crítico que registasse tudo o que entrava e saía.

 

Se todas as despesas estiverem justificadas com faturas é muito mais fácil fazer esse controlo.

Se a sua preocupação é o pagamento de impostos, existem soluções legais para que não pague tantos impostos. Pode aconselhar-se com um contabilista ou um fiscalista.

 

Remetendo-nos ao início do texto é, pois, fácil de perceber porque é que as empresas com mais do que um sócio sobrevivem mais.

Porque é muito mais difícil existirem entradas e saídas de dinheiro injustificadas quando há mais do que uma pessoa na empresa. Quando a empresa é constituída por mais do que uma pessoa, existe uma maior preocupação em justificar ao outro sócio qual a origem das despesas.

 

Preocupe-se ao detalhe com o controlo financeiro da sua empresa, porque isso fará com que tome boas decisões no seu negócio.

Entenda o seu negócio para se tornar dono do mesmo!

 

Sucesso não é algo que perseguimos. O sucesso é algo que atraímos pela pessoa em que nos tornamos” (Jim Rohn)

 

Torne-se a pessoa que consegue atrair o sucesso!

Vamos lá alavancar as finanças da empresa!

Em breve, teremos uma rubrica: “A Mariana responde”.

Coloque as suas dúvidas. As mesmas serão respondidas em pequenos vídeos, por e-mail ou por mensagem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.