4 disciplinas para o sucesso

4 disciplinas para o sucesso 1

A importância da execução consistente

De acordo com Jim Rohn, eis a fórmula do sucesso:

disciplinas para o sucesso

 

 

 

Passo a passo para as empresas

  1. Definição dos objetivos – saber para onde quer ir
  2. Definição do plano – passos a dar para atingir os objetivos
  3. Ação – o ingrediente mais importante! Sem ela não há movimento

Para saber mais sobre o tema leia o meu livro “Executive Coaching”.

Hoje, partilho convosco as minhas 4 disciplinas para o sucesso!

 

4 disciplinas para o sucesso

  1. Concentração

O foco. É importante ter poucos objetivos, mas torná-los relevantes.

Todos nós já passámos pelas resoluções de Ano Novo. As 12 coisas que queremos fazer no novo ano e que vão mudar a nossa vida.

O que acontece é que, passados alguns meses, não nos lembramos de metade dessas resoluções. Porquê?

Devido à dispersão. Querermos muitas coisas e acabamos por não nos focar e não as concretizar.

Aconselho a que se debruce apenas sobre 6 objetivos e que os torne relevantes.

Num dos livros que li sobre gestão do tempo, “A Única Coisa” de Gary Keller e Jay Papasan, os autores falam sobre a imagem do dominó.

Está provado, segundo as leis da física, que uma peça de dominó de apenas 5 cm consegue derrubar outra peça com mais de 50% do seu tamanho, isto é, com 7,5 cm. E assim sucessivamente.

Ou seja, se for colocando sequencialmente peças com mais de 50% do tamanho da anterior, ao derrubar a primeira peça, todas as outras vão sendo derrubadas.

A imagem que o livro nos passa é que se colocar 23 peças em sequência (em que a seguinte peça seja 50 % maior que a anterior), à 23ª peça terá uma peça com o tamanho da torre Eiffel.

Da mesma forma, à 57ª peça, terá uma peça com a distância até à lua.

Imaginemos que conseguia alinhar estas peças todas. Derrubando apenas a 1ª peça, todas as outras seriam gradualmente derrubadas apenas com o 1º movimento.

O que os autores querem ilustrar é que, se encontrar a sua primeira peça, aquela dos 5 cm, se conseguir resolver aquela peça, há coisas que se vão resolver de forma autónoma, sem uma intervenção direta.

O que deve fazer, portanto, é encontrar essa peça.

Perceber qual é a coisa mais importante que tem que fazer em cada momento, para obter os melhores resultados na sua empresa.

Este é o foco! Deve focar-se a si e às suas equipas na coisa mais importante.

 

  1. Catalisação

Esta é a 2.ª das disciplinas para o sucesso. É a criação dos estímulos que permitem ter esta execução consistente.

Quais os componentes da catalisação?

  • Criar objetivos significativos

As equipas devem ter poucos objetivos, mas com valor.

Deve transmitir o verdadeiro valor desses objetivos às suas equipas. Explicando com detalhe, clareza e qualidade o que pretende, e qual o caminho para atingir os objetivos.

Aos colaboradores mais capazes poderá deixar algum grau de liberdade. Ainda assim, deverá explicitar o que pretende e se o colaborador não for capaz de chegar lá sozinho, é necessário que lhe explique como lá chegar.

  • Simplificar os processos

Deve estar também atento a todas os obstáculos que apareçam na engrenagem.

Dou como exemplo um colaborador de um call center a quem é dada a instrução de contactar os clientes para vender coaching empresarial.

Esta instrução demasiado simplista pode causar confusão e desconforto ao colaborador e fazê-lo perder demasiado tempo com a tarefa.

Nesta situação, o que deve fazer é descrever detalhadamente o que pretende.

Indicar ao colaborador que pretende que o mesmo contacte os clientes, explicando-lhes o que é o coaching empresarial, facultando-lhe um guião com os pontos a abordar.

Desta forma, o processo será muito mais simples e menos moroso.

 

  1. Envolvimento

No dia-a-dia, criar mecanismos de envolvimento das equipas no processo.

 Como envolver os colaboradores?

  • Através da prestação de contas.

É critico que os colaboradores entendam que a prestação de contas faz parte da vida da empresa.

Os colaboradores devem estar disponíveis para medir a sua performance, transformando o seu dia-a-dia em números.

Desta forma, irão medir o esforço que estão a colocar na empresa assim como a qualidade do seu trabalho.

medição para o sucesso

Mensurando estes 2 pontos, o colaborador consegue perceber se está a colocar muito ou pouco esforço ou se está a ser muito ou pouco produtivo.

Isto trará um aumento de resultados.

Os indicadores de negócio e a prestação de contas têm que estar presentes todos os dias no seu negócio.

  • Falemos de gamification ou gamificação

Nos dias de hoje, este conceito está presente em qualquer aplicação que coloquemos no nosso telemóvel: existe uma espécie de prémio sempre que é atingindo um objetivo.

As empresas há muito que perceberam isto e estão a tornar a relação com o cliente um pouco como um jogo com recompensas.

Este conceito pode ser também utilizado nas relações entre os donos das empresas e os seus colaboradores, através de métricas individuais e de grupo.

Verificamos que, por exemplo, nas imobiliárias existe o consultor do mês.

No fundo trata-se de trazer para as empresas esta componente de jogo.

Este fator é muito importante para o crescimento do negócio.

Para ilustrar esta questão, a título de exemplo, trabalhei com um dono de uma pastelaria e, em conjunto, criámos 2 indicadores para os colaboradores: o número de talões e o valor médio por talão.

Traçámos os objetivos diários, semanais, mensais e anuais.

A determinada altura do processo, começámos a colocar uns gráficos na parede da empresa e verificámos que os colaboradores tinham curiosidade em ver os gráficos.

Colocámos então nas máquinas registadoras, após o fecho do dia, uma informação com o número de talões e o valor médio de talões.

Sempre que o talão saía, os colaboradores juntavam-se para ver o resultado e quando atingiam o objetivo do dia mostravam-se muito satisfeitos. Da mesma forma, quando não atingiam os objetivos tentavam perceber o que podiam melhorar no dia seguinte.

Introduzir esta vertente de gamification teve como resultado uma evolução extraordinária da equipa, e o crescimento do negócio.

 

4. Ritmo

Finalmente, a 4.ª das minhas disciplinas para o sucesso!

Assim como é importante ir na direção certa é importante também ir à velocidade certa.

O que garante este ritmo?

  • Avaliações dos colaboradores

– Avaliações informais no dia-a-dia

Fazer reparos ou elogios no dia-a-dia

– Avaliações formais

Deve haver um momento para as pessoas refletirem sobre elas próprias através de uma autoavaliação que deverá ser seguida de uma reunião formal.

Quem não está preparado para a prestação de contas tem muita dificuldade em fazer esta autoavaliação.

As avaliações aos colaboradores devem ser feitas tendo por base uma avaliação 360. Ou seja, os colaboradores são avaliados pela sua equipa, pelos seus pares, pelos seus líderes, consoante as hierarquias existentes na sua empresa.

Desta avaliação, é importante que resulte um plano de melhoria, fortalecendo o que o colaborador faz bem e dando indicação de como o mesmo pode melhorar nos pontos mais fracos.

Destaco que deve sempre dizer a verdade de uma forma construtiva e positiva, não mascarando o que não está bem, mas apresentando sempre uma solução.

  • Reuniões

Trimestrais

Trata-se de reuniões estratégicas para avaliar o trimestre anterior e planear o seguinte.

Semanais

São reuniões táticas do dia-a-dia, de forma a avaliar a semana e planear a semana seguinte no que a ações concretas diz respeito.

Diárias

Reuniões de 10 minutos, muito rápidas, para manter a equipa motivada, envolvida e focada.

Partilhei convosco as minhas 4 disciplinas para o sucesso. Têm outras? Sugiram em comentário!

Se gostou deste conteúdo partilhe!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.